domingo, 25 de abril de 2010

Li



ISHMAEL BEAH, aos 12 anos de idade foi obrigado a lutar pela vida, após perder toda sua família na guerra civil do seu país: Serra Leoa.

No começo lutava somente por comida, mas a cada tentativa de sobrevivência, mesmo se mantendo vivo,Ishmael sentia que um pedaço de si morria também.

Depois de certo tempo sozinho no mundo, começou a matar, pois era matar ou morrer naquele lugar onde leis não existiam mais.

As vezes o único alimento que tinha eram drogas, ele mistura cocaína, maconha e pólvora, uma mistura explosiva que o deixava anestesiado de suas próprias atrocidades.

Foi escolhido pela unicef, dentro do seu batalhão de guerrilha, p/ ser reabilitado e voltar a ter uma vida normal de um garoto de 15 anos.

Reside nos Estados Unidos em NovaYork e é formado pelo Oberlin College com Bacharelado em ciências políticas, é membro do comitê dos direitos da criança da ONG Human Rights Watch.


Muito bom. Vale a pena.
Bjs

Imagem e sinopse: google

7 comentários:

Zany disse...

Bete, boa dica, pois é de livro e filmes baseados em fatos reais que eu gosto. Vou anotar. Bjs e uma boa semana pra você!!

Barbara disse...

Uma exceção ou excessão (nunca sei escrever isso).
Em Serra Leoa, na Colômbia ou aqui.

Sonia H disse...

Oi, Bete,
Meu filho já leu este livro!
Vou lê-lo depois.
Beijos,

Carlos Emerson Jr. disse...

E ainda tem gente que reclama da vida... Imagina um garoto de um lugar como Serra Leoa terminar em NY e ainda por cima com um bacharelado.

Lição de vida é isso aí!

Um beijão.

Léo Metallica disse...

Incrível.

Cocaína, maconha e pólvora alimentavam esta criatura de Deus.

Chocante.

Agora não deixo de sentir o gostinho amargo de que a Unicef privilegiou 1 dentre milhões de crianças que vivem uma situação parecida na África.

Acho que as pessoas tem de se ater as injustiças humanitárias que ocorre na África. A Copa do Mundo é um excelente palco para que tais injustiças sejam mostradas.

Infelizmente o dinheiro não é tudo.

Direto do Rio.
Abraço.

Eu, sem clone disse...

Acredito que, se todas as familias tivessem condição de cuidar bem de seus filhos, não teriamos crianças nesse estado de perigo. Mas muitos paises da Africa, assim como outros paises, tiveram seu desenvolvimento achatado por grandes potências colonialistas. Até hoje, esses paises nao sairam da pobreza. Eh dificil, qdo são anos e anos de atraso e dependência. Esse rapaz é uma exceção.

disse...

Obrigada pela dica exelente minha querida.
Vale a pena mesmo seguir bons exemplos e saber que a esperança não morre.
Beijos de bom dia pra ti!