terça-feira, 14 de abril de 2009

De olho nos comentários

Li sobre alguns casos de comentários inadequados e desrespeitosos, daí resolvi moderar os que aqui são deixados.
Nunca aconteceu nenhum fato desagradável comigo, porém é mais cauteloso.
É sem dúvida menos prático, por isso peço desculpas aos amigos e visitantes do Interagindo, caso haja alguma demora na publicação.

Beiiiiiiijos Amazônicos

Imagem: Google

6 comentários:

Carlos Emerson Jr. disse...

De vez em quando faço o mesmo, coloco a moderação nos comentários. Principalmente quando estou fora de casa por muito tempo e sem acesso a um computador.
Um beijão.

Eu, sem clone disse...

Vc tem razão, Bete. Eu modero pois ficamos muito vulneraveis pelo fato da Internet ser uma via de comunicação muito aberta.
Como foi sua Pascoa?
bjks

Nina disse...

beijinhos amazonicos sao tudo de bom, o que vem neles Bete??? cheiro de tucumã?? acai grudadinho nos lábios?? sabor gostoso e quentinho de tapioca com café com leite? um peixinho assado na folha da bananeira?? cupuacu? mingau de banana com farinha de tapioca? pirarucu à casaca?? banana frita????

ahhh beijinho bom esse, gente!!!

moderar comentários??? é, nunca precisei , mas se surgir gente a fim de me aporrinhar a paciencia, nao pensaria duas vezes em moderar...

beijao!

zany.zip.net disse...

Bete, apenas uma vez recebi um comentário desagradável. Logo que eu vi, deletei de imediato. Mas prevenção é sempre importante. bjs amiga!!!

Roseane, disse...

Eu entendo isso...mas não modero o meu. Ainda bem que poucos são os comentários desagradáveis, já tive e deletei assim que li. Mas tem muita gente mal educada mesmo, seja na blogosfera e na vida real. Bom findi, bjks!!!

dácio jaegger disse...

É mole? Quem muito trabalha tem de se redimir de pecados, como os que cometi com vc: fiquei deveras agradecido por achar o Chega mais um super blog. Peguei o selo que é um distintivo, e me perdi no orgulho? Não, no tempo. Relembrei a visão da pororoca, uma pujança, o chamamento para o Movimento Natureza da Georgia, Beth e Paula, pois vamos lá; o Quintana no dever de casa que é a Vida, mas acho que nossos ancestrais não merecem a pecha de culpados porquanto foram do tempo em que se achava que a Natureza era dadivosa e inesgotável apesar de muitos países terem esgotados reservas importantes; li do Zé Miguel e sua saga, andei pela Estrada Nova, sentei-me junto à voz de Mongol que celebra o que celebra Montenegro, um primor-obrigado. Achei fantástico o engajamento anti –dengue de gente responsável da valente Macapá, li a Páscoa que naturalmente te encontrou com a alegria de sempre. Políticos, estes vergonhosos seres que temos forjado tristemente... Finalmente, faça isto mesmo, desestimule quem por ventura vier assacar. Beijos