quarta-feira, 28 de maio de 2008

Combatendo o Tabagismo

Fui fumante durante muitos anos: comecei na adolescência, por curiosidade, auto afirmação, modernidade e coisas do gênero.

Meia carteira por dia, mas somados, tornou-se um quantitativo bastante significativo ao longo de minha vida.

Lembro que uma vez minha filha ainda pequena, espalhou na casa (dentro da geladeira,nas gavetas, embaixo do travesseiro, etc...), mais de 100 recados para eu parar de fumar, e nem assim me sensibilizei.
Somente aos poucos fui me conscientizando que deveria parar enquanto tinha saúde e muita coisa para usufruir e viver .

Em certo momento comecei a perceber o quanto incomodava, o quanto era desagradável aquele cheiro forte de cigarro por mais que lavasse a mãos, escovasse os dente. Apesar de todas tentivas para disfarçar, a roupa, o cabelo, o hálito, tudo denunciava minha condição de fumante.

No meio da noite, ficava pensando que deveria parar antes que o pior acontecesse, pois uma gripe, uma dor nas costas e falta de ar, por exemplo, eram suficientes para que eu ficasse apavorada, com receio de qualquer diagnóstico.

Foi muito difícil, pois não procurei ajuda médica, venci graças a uma grande força de vontade e determinação em alcançar meu objetivo.

Aconteceu há 7 anos.

Bjs


2 comentários:

Magui disse...

Eu também fui fumante mas sabia que fazia mal porque meu avô teve cancer na laringe e ficou sem voz por 60 anos.

Sonia H. disse...

Nossa, Bete,
Fiquei comovida com os bilhetinhos da sua filha te pedindo para parar de fumar.
Parabéns por ter se livrado de vez da dependência do fumo.
Abraços,